O que é “pós-consumo sustentável”?

postado por aleile @ 7:20 PM
2 de agosto de 2013

sustentabilidade

 

O termo “pós-consumo sustentável”, cada vez mais utilizado, significa recolher e dar um destino adequado aos produtos, responsabilizando-se pelo retorno do material após o seu consumo. Essa é uma responsabilidade que deve ser assumida amplamente pela sociedade, tanto pelos governos e empresas fabricantes e vendedoras quanto pelos agentes de coleta seletiva e consumidores finais, tendo em vista a proteção ao meio ambiente e a garantia dos recursos naturais.

O Brasil possui uma legislação que obriga os fabricantes a darem um destino adequado a certos produtos, promovendo a responsabilidade de retorno do material pós-consumo. A Lei Federal nº 12.305, sancionada em 2010, instituiu a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), que é bastante atual e contém instrumentos importantes para permitir o manejo adequado dos resíduos.

Mas essa responsabilidade, de qualquer maneira, impõe-se a todos. Consumir de forma sustentável implica poupar os recursos naturais, conter o desperdício, diminuir a geração de lixo, reutilizar e reciclar a maior quantidade possível de resíduos. Só assim conseguiremos prolongar o tempo de vida dos recursos naturais do planeta.

O ciclo de vida dos produtos não termina após serem usados e descartados pelos consumidores. A reciclagem é uma das alternativas de tratamento de resíduos sólidos mais vantajosas, tanto do ponto de vista ambiental como do social, pois reduz o consumo de recursos naturais, poupa energia e água, e diminui o volume de lixo e a poluição. Também pode ser uma atividade econômica rentável quando há um sistema bem estruturado de coleta seletiva.

Reciclar envolve a transformação dos materiais. Por exemplo, fabricar um produto a partir de um material usado. Podemos produzir papel reciclando papéis usados. Papelão, latas, vidros e plásticos também podem ser reciclados. Para facilitar o trabalho de encaminhar material pós-consumo para a reciclagem, é importante fazer a separação no lugar de origem – a casa, o escritório, a fábrica, o hospital, a escola etc. A separação também é necessária para o descarte adequado de resíduos perigosos.

Um dos pontos fundamentais da nova legislação é o estabelecimento de sistemas de logística reversa, que se constituem em um conjunto de ações para facilitar o retorno dos resíduos para os seus geradores e o seu reaproveitamento em novos produtos. Atualmente, a logística reversa funciona com pilhas, pneus e embalagens de agrotóxicos, mas é pouco praticada por outros setores, como o de eletroeletrônicos, que geram resíduos de significativo impacto ambiental depois de consumidos.

A PNRS ainda está em fase de implementação. Os Estados e municípios têm até 2014 para definir o modelo de recolhimento, reciclagem e destinação final dos resíduos. Do lado das empresas, a expectativa é que os planos de logística reversa sejam apresentados também até o início do ano que vem. Os fabricantes e importadores de produtos devem apresentar propostas de implantação de responsabilidade pós-consumo para fins de recolhimento, tratamento e destinação final de resíduos, indicando ações e metas concretas para a sua viabilização.

Alguns fabricantes que já assinaram o Termo de Compromisso com o pós-consumo foram:

– Pilhas e baterias portáteis
- Embalagens de produtos de higiene pessoal, perfumaria, cosméticos, de limpeza e afins
- Embalagens de agrotóxicos
- Embalagens plásticas pesadas de lubrificantes
- Pneus inservíveis
- Óleos lubrificantes
- Óleo comestível
- Baterias automotivas chumbo-ácido
- Filtros usados de óleo lubrificante automotivo

Deixe seu comentário.