Descarte correto de resíduos gera descontos em conta de energia

postado por aleile @ 7:19 PM
2 de agosto de 2013

Logisverde Capítulo 5 - Fornecedores - Logisverde (2)

Descartar os resíduos de maneira ambientalmente responsável e trocá-los por crédito na conta de energia. Essa é a proposta do projeto Vale Luz, iniciativa da Coelba, empresa do Grupo Neoenergia. Funcionando em duas vertentes – Comunidade e Empresa – o projeto, hoje, atende mensalmente a 24 comunidades populares de Salvador, e sete empresas parceiras, fazendo a troca de resíduos sólidos recicláveis por descontos diretamente na conta de energia dos consumidores.

Mensalmente, os dois caminhões itinerantes do projeto percorrem os bairros de Massaranduba, Sussuarana, Novos Alagados, Bate Facho, Pernambués, Valéria, Jardim das Margaridas, Nova Brasília, Costa Azul, Tancredo Neves, Cosme de Farias, São Cristóvão, São Caetano, Castelo Branco, Calabar, Bairro da Paz, Fazenda Coutos III, Pau da Lima, Cajazeiras X, Águas Claras, Alto do Peru, Joanes, Uruguai e Nordeste de Amaralina, recolhendo os resíduos e concedendo os bônus na conta.

Os caminhões do projeto comunidade seguem uma programação semanal e ficam estacionados nos bairros das 9h às 15h30. Os moradores entregam o material, que é pesado e, na mesma hora, o valor correspondente ao material é descontado da conta de energia do mês seguinte. Só na vertente Comunidade, já foram recolhidas mais de 290 toneladas de resíduos e creditados R$ 72 mil na conta de energia de mais de 1500 consumidores.

São aceitos para a reciclagem: metal, papel, papelão e plásticos. Alguns cuidados devem ser tomados no momento da coleta. Papéis e plásticos, por exemplo, não podem estar sujos ou molhados. No caso das latas de alumínio, devem estar sem areia, pedra ou materiais que comprometam a pesagem. O material recolhido é encaminhado à Cooperbrava, cooperativa de coleta seletiva formada por catadores de Canabrava.

“Além de reduzir o valor da conta de luz, o Vale Luz tem o objetivo de estimular o uso racional dos recursos naturais e minimizar os impactos negativos causados pelo lixo no meio ambiente, estimulando a reciclagem”, explica Ana Christina Mascarenhas, assessora de Eficiência Energética do Grupo Neoenergia.

No Vale Luz Empresa, os créditos decorrentes dos resíduos coletados nas empresas parceiras beneficiam instituições que realizam trabalhos sociais. A empresa AVSI Nordeste, por exemplo, beneficia o Instituto de Caridade Lar Maria Luíza com os resíduos coletados. Para participar, empresas sediadas em Salvador, de qualquer ramo de atuação, devem inscrever-se na concessionária através do telefone (71) 3370-5006 e escolher a instituição que receberá o crédito na conta de energia, proporcional ao peso dos materiais recicláveis doados. Essa instituição deve ser atendida pela Coelba e prestar serviço social.

Desde que o Vale Luz Empresa foi lançado, em abril de 2012, até o último mês de junho, já foram recolhidas 70 toneladas de resíduos recicláveis e creditados R$ 10,7 mil nas contas de energia das instituições indicadas pelas empresas participantes. São aceitos para a reciclagem: metal, papel, papelão, plásticos e PET.

Esse material é pesado e o valor, em reais, será convertido em crédito para a conta de energia da instituição social escolhida. Importante ressaltar que só poderão participar do projeto empresas que ainda não possuam vínculo com qualquer outra cooperativa de catadores do Complexo de Cooperativas de Reciclagem da Bahia. Para estimular a participação, a Coelba fornece às empresas as caixas de coleta de materiais e cartazes para incentivar os funcionários a aderirem ao projeto, além de proporcionar treinamento para os envolvidos diretamente com o Vale Luz.

Logística reversa - Com o projeto Logisverde, a Coelba se dedica à logística reversa, promovendo o fluxo de retorno de produtos, embalagens e materiais ao seu centro produtivo. O projeto faz a logística reversa das bobinas de madeira utilizadas para o acondicionamento e o transporte de cabos. Além de contribuir para a preservação ambiental, por reduzir o uso de recursos naturais e a geração de resíduos de madeira, incentiva o reaproveitamento do material.

Antes da criação do Logisverde, todas as bobinas de madeira que acondicionam os cabos eram descartadas pelas empresas parceiras que trabalham na construção ou manutenção da rede elétrica. As peças acabavam sendo utilizadas de forma improvisada como mesas em pequenos restaurantes ou em residências, ou em grandes carretéis abandonados, sem nenhum cuidado, em áreas próximas a nascentes e leitos de rios, riachos e lagos – o que representa um grave risco para o meio ambiente, já que durante a sua fabricação, as peças são tratadas com produtos químicos para a conservação da madeira.

Com a iniciativa, parte das peças usadas passou a ser devolvida para os seus fornecedores iniciais, depois de passar pelos almoxarifados das concessionárias, onde as bobinas são desmontadas e embaladas. Dessa forma, é possível fazer com que as bobinas sejam reutilizadas pelos seus fabricantes. O projeto contribui também para minimizar o problema da geração de resíduos sólidos, ao evitar ocorrências de descarte inadequado das peças.

Deixe seu comentário.