Ações de sustentabilidade movimentam Terminal de Contêineres de Salvador

postado por aleile @ 1:39 PM
8 de outubro de 2013

 Tecon Salvador FOTO divulgacao.jpg (1)

Responsável pelo terminal de contêineres da Bahia, o Tecon Salvador vem exercendo suas atividades pautadas na política de sustentabilidade. A empresa, que foi arrendada no ano de 2000 em uma concessão de 25 anos (renováveis por igual período), se alinhou à política corporativa do Grupo Wilson Sons, visando “contribuir com a sociedade em que está inserida”, como destaca o diretor executivo do Tecon Salvador, Demir Lourenço Júnior.

“Nossa orientação, na área de sustentabilidade, é de absoluto respeito às normas, padrões e procedimentos. Além do básico, como a naturalização de práticas e a coleta seletiva, insistimos em capacitações, ações educativas, eventos de mobilização e tudo o mais que possamos fazer para incentivar um convívio harmonioso com o ambiente em que estamos. O nosso negócio, também, é preservar a natureza, com o objetivo de deixar um legado para as futuras gerações”, pontua o diretor.

Ele explica que todo o trabalho realizado pelo Tecon segue, rigorosamente, as definições de Segurança, Meio Ambiente e Saúde. “A empresa desenvolve, com seus colaboradores, capacitações para conscientização e para a prática de medidas preventivas na área de sustentabilidade”, afirma. Junto à utilização de papéis reciclados e destinação seletiva de resíduos (comuns, recicláveis e coleta de aparelhos e baterias de celular), completa, o terminal adquiriu, recentemente, novos equipamentos com maior eficiência energética. Até o momento, o Grupo Wilson Sons informa já ter investido cerca de R$ 240 milhões na compra de equipamentos, em tecnologia e na expansão do terminal.

Ações sustentáveis – Dentro da proposta de responsabilidade com o princípio da sustentabilidade, o Tecon optou por um novo modelo de pontes rolantes sobre rodas para a movimentação de contêineres no pátio (RTGs). Trata-se dos primeiros equipamentos totalmente elétricos da América Latina. Conforme Demir Lourenço Júnior, a iniciativa reflete o comprometimento da empresa com a preservação do meio ambiente. “Os RTGs possuem tecnologia de reaproveitamento de energia e proporcionam a redução de emissão de dióxido de carbono, pois dispensam a utilização de combustível”, explica. Com esta ação, o Tecon deixa de emitir, anualmente, uma quantidade de gás de efeito estufa equivalente à queimada de 26 mil árvores da Mata Atlântica.

O trabalho não se restringe às ações com o público interno. Segundo Demir Lourenço Junior, a empresa promove, também, ações sociais na comunidade. Uma das iniciativas de maior impacto, cita o diretor, é o Clean Up Day – traduzido como o Dia mundial de limpeza de rios e praias, em uma iniciativa da ONG Ocean Conservancy. Realizado, anualmente, na praia do Porto da Barra, em Salvador, o projeto envolve funcionários, banhistas e mergulhadores que se reúnem com o objetivo de coletar resíduos poluentes na área.

A empresa – Um estudo da Coppead (Instituto de pós-graduação e pesquisa em Administração, da Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ), publicado em dezembro de 2010, aponta o Tecon Salvador como o melhor operador portuário do Norte e Nordeste e o quarto do Brasil. A pesquisa se baseou em parâmetros como eficiência, custo de movimentação e tempo de espera. Com o recente investimento em tecnologia e infraestrutura, a direção da empresa afirma que o terminal está apto a receber os maiores navios de contêineres que navegam, hoje, no mundo.

O Tecon Salvador, desde 2000, tem aumentado seus índices de movimentação, acumulando um crescimento de 435% na última década. Comprometida com o desenvolvimento da economia local, a empresa gera cerca de 650 empregos diretos e mais cinco mil indiretos, garantindo crescimento no desenvolvimento da mão de obra da área de operações logísticas e portuárias.

Wilson Sons - Fundada por Edward Pellew Wilson, em 1837, em Salvador, a Wilson Sons tem fomentado suas ações em torno da Sustentabilidade, Memória e Responsabilidade Social, por meio de projetos como o Criando Laços (que visa estimular e apoiar a atuação voluntária dos funcionários em ações dirigidas a instituições e projetos sociais) e o Centro de Memória Wilson Sons. Diversificado, seu portfólio inclui soluções especializadas nas áreas de terminais portuários, rebocagem marítima, logística, agenciamento marítimo, apoio à exploração e ao desenvolvimento da indústria de óleo e gás e da indústria naval.
Ao se transformar, ao longo de sua história, em um grupo focado em prestação de serviços portuários, marítimos e logísticos terrestres, é considerada, hoje, uma das maiores operadoras brasileiras integradas no setor. Além do Tecon Salvador, o Grupo detém o terminal do Tecon Rio Grande. Ambos atendem à economia doméstica, ao comércio internacional e às demandas do mercado de óleo e gás, conforme a direção da empresa.

 

 

 

Uso da Ecomadeira contribui para a redução dos impactos ambientais

postado por aleile @ 1:33 PM
8 de outubro de 2013

Banco Ecomadeira Ecoblock Cumaru
_Banco Caxepô

Transformar aquilo que, para a maioria das pessoas, não tem mais valor em produtos ecologicamente corretos. Esse foi o principal intuito da Ecoblock, empresa que surgiu em 2005 e produz a Ecomadeira, material proveniente de fontes renováveis e ecologicamente correto.

Também chamada de madeira plástica, o material, quando comparado aos similares sintéticos e à madeira natural, apresenta baixo custo, boas propriedades térmicas e uso reduzido de instrumentos para o seu processamento.

Alinhado à sustentabilidade e à consciência ambiental, a Ecomadeira inova por ser resistente a impactos, imune à ação de cupins, impermeável e de fácil manuseio. Sua aplicação é extensa, alcançando os segmentos de arquitetura, paisagismo, moveleiro, rural, construção civil, industrial e naval. O material pode ser aplicado em diversos locais, pois é uma madeira que também pode ser furada e serrada.

Gabriela Borges, consultora e assessora técnica da Ecoblock, esclarece que a substituição da madeira natural propicia duplo efeito na atual tendência de minimização dos efeitos da emissão de gás carbônico na atmosfera. “O primeiro efeito, e mais importante deles, é a limpeza do meio ambiente. O outro efeito se dá no final da cadeia, com a preservação de mais árvores, que deixam, então, de serem cortadas”.

A Ecoblock tem capacidade produtiva para a transformação de 500 toneladas/mês de resíduos plásticos e fibras provenientes do lixo ou de resíduos industriais.

Quando alguém opta por trocar a madeira natural pela Ecomadeira, age em prol da redução dos impactos ambientais causados pela má utilização das matérias-primas e pelo descaso com a produção do lixo e o destino dado a ele. Patricia Albuquerque, coordenadora nacional de vendas de madeira plástica, pontua que, ao reduzir esses impactos, a empresa contribui para uma natureza mais sadia com ares e águas mais limpos, além de prorrogar o tempo de duração de recursos naturais que são essenciais à nossa vida e que, até pouco tempo atrás, eram considerados inesgotáveis, mas hoje se encontram em risco. “Todos nós (pessoas e empresas) somos os primeiros impulsionadores da sustentabilidade. Agimos com sustentabilidade quando, nos edifícios, na indústria, nos transportes, nas cidades e na eficiência energética, conseguimos minimizar o impacto ambiental das nossas escolhas”, finaliza Gabriela Borges.

Curiosidades:

- Para cada 700 kg de madeira plástica produzidos, uma árvore adulta deixa de ser derrubada.
- O complexo processo produtivo da madeira plástica, indiretamente, evita que, aproximadamente, 714 árvores sejam derrubadas por mês.
- Uma árvore adulta equivale a 233 mil sacolas de supermercado.

Ações de cidadania

postado por aleile @ 1:25 PM
8 de outubro de 2013

 

 

Januaria Celestina Santos Oliveira
Manter uma interação e um bom relacionamento com as comunidades do seu entorno tem sido uma prática social permanente da Braskem, empresa da cadeia petroquímica, com sede no Polo Industrial de Camaçari. Visando contribuir na melhoraria da vida dos moradores, a organização se pauta no programa Investimentos Sociais Privados (ISP), que é sustentado por três eixos de atuação: inclusão social, educação ambiental e promoção cultural. Dentro desse contexto, a Braskem vem realizando várias iniciativas, entre as quais o Projeto Caminhos para a Autossustentabilidade (PCA). Essa iniciativa envolve as comunidades de Madeira, Menino Jesus, Pasto de Fora e Passé, situadas no município de Candeias; de Jardim Futurama, em Dias D’Ávila, e de Pitanga de Palmares e Meota, em Simões Filho.

“Somos uma organização com uma atuação de cidadania. Por isso a gente trabalha para fomentar a promoção cultural, a inclusão social e a educação ambiental, através de 13 programas estruturados nesses pilares. Somente em 2012, investimos R$ 12,6 milhões em projetos sociais que beneficiaram mais de 130 mil pessoas”, pontua o coordenador de desenvolvimento sustentável da Braskem, André Leonel Leal.

As comunidades envolvidas com o projeto estão localizadas nas proximidades da dutovia Refinaria Landulfo Alves (RLAM), no Polo de Camaçari-Aratu (sistema de dutos, por meio do qual a Braskem e outras seis empresas transportam produtos químicos). Desde 2002, quando foi implantado, o PCA já beneficiou quase cinco mil moradores da região, sendo que o público-alvo das ações são crianças e adolescentes, entre 12 e 17 anos, em situação de vulnerabilidade social; professores; integrantes dos Núcleos de Defesa Comunitária (NUDECs); lideranças comunitárias; pais e responsáveis pelos participantes das oficinas do projeto.

20110815_7549

Ações educativas – Com o objetivo de despertar a consciência dos alunos em relação à preservação do meio ambiente e à sustentabilidade, o Caminhos para a Autossustentabilidade realiza ações educativas e de mobilização através de palestras e seminários, promovidos em parceria com as escolas municipais. A proposta é que cada participante se transforme em multiplicador de conceitos, valores e atitudes que promovam a inclusão e a promoção social, como explica o gerente de Relações Institucionais da empresa, Emmanuel Lacerda.

Oficinas de percussão, capoeira, serigrafia, cidadania e educação ambiental são algumas das atividades desenvolvidas pelo Caminhos para a Autossustentabilidade que, segundo Lacerda, resultaram na melhoria da autoestima e da autoconfiança dos participantes, assim como no aumento dos reflexos positivos na sociabilização, no rendimento escolar, na assiduidade e na relação com pais e/ou responsáveis. “A Braskem investe nas pessoas, apoiando-as na mudança de comportamentos e atitudes, e na construção de alternativas para melhores condições de vida”, afirma.

O presidente da Associação dos Moradores de Jardim Futurama, Jarbas de Jesus, confirma que a Braskem tem sido uma parceira da comunidade. “A empresa já nos trouxe uma diversidade de coisas boas, de forma gratuita, que não são oferecidas pelo Poder Público. Benefícios como uma escolinha de futebol, cursos de teatro e de serigrafia, terapia comunitária, passeio para locais de preservação ambiental e caminhadas ecológicas, além de biblioteca comunitária e bazar significam tirar os moradores de Jardim Futurama da margem da exclusão. Essas oportunidades ajudaram a mudar a mentalidade das pessoas devido às informações recebidas”, considera o líder comunitário.

A presidente da Associação Beneficente de Pasto de Fora, Maria Nilza Silva, da mesma forma, comemora o fato de a comunidade da qual ela pertence ter sido beneficiada com os projetos encampados pela Braskem. “Já estamos no local há 60 anos e, nos últimos anos, a Braskem vem tirando nossas crianças e jovens da rua, dando a eles uma ocupação recreativa e cultural. Isso nos deixa alegres porque significa que estamos sendo reconhecidos”.

Ações de conscientização – O Projeto Caminhos para a Autossustentabilidade promove, também, ações de conscientização quanto aos aspectos de segurança relacionados à dutovia e às formas de prevenir acidentes e incidentes. “O objetivo dessas iniciativas é buscar a convivência harmoniosa e segura da população em toda a área pela qual passam os dutos que transportam produtos”, afirma o gerente de Relações Institucionais da Braskem.

Além do Projeto Caminhos para a Autossustentabilidade, a Braskem mantém, na Bahia, outros programas, como o Fábrica de Florestas, Reciclagem e Cidadania, Museu Única (espaço da química no Universo da Criança e do Adolescente, na Cidade do Saber, em Camaçari) e Prêmio Braskem de Teatro. Os projetos, explica o coordenador de desenvolvimento sustentável da Braskem, André Leonel Leal, são realizados por meio de organizações da sociedade civil de interesse público, que planejam, executam e mensuram os resultados alcançados, sob o acompanhamento da empresa. “No Festival de Cultura Japonesa (realizado em Salvador, no início de setembro), por exemplo, a empresa promoveu uma ação educativa e ambiental”, destacou.

Hora de economizar: Dicas de uso racional e eficiente dos recursos naturais

postado por aleile @ 1:18 PM
8 de outubro de 2013

Poupar energia, água ou outro recurso natural, bem como reciclar resíduos e transformá-los em produtos com valor agregado. Atitudes como essas combinam com sustentabilidade, que não se trata apenas de uma palavra da moda, mas sim uma prática obrigatória no mundo contemporâneo. Ser sustentável, portanto, significa ter a capacidade de renovação dos bens da natureza. Sem esse equilíbrio, a tendência é o esgotamento de recursos, comprometendo o meio ambiente. Atitudes que vão do âmbito global até o doméstico devem ser encaradas como uma necessidade de sobrevivência do planeta. O papel das empresas, como agentes sociais no processo de desenvolvimento, por sua vez, é crescente. Instituições como a Embasa e a Coelba já dão conta da sua responsabilidade frente à valorização do meio ambiente e, por isso, desenvolvem diversas ações para a conscientização do uso racional e eficiente da água e da energia com o objetivo de combater o desperdício e as perdas. Como contrapartida, ganham a confiança da sociedade, tornando-se uma empresa-cidadã. Veja, abaixo, algumas dicas de uso racional e eficiente dos recursos naturais:

Chuveiro elétrico – Nos dias quentes, mantenha a chave de temperatura na posição “verão” (na posição “inverno”, o consumo de energia é aproximadamente 30% maior). O chuveiro elétrico é responsável por cerca de 25% do consumo de uma residência, por isso limite seu tempo debaixo da água quente ao mínimo indispensável. Não tente aproveitar uma resistência queimada, isso aumenta o consumo.

Economizar água - Tomar banhos mais rápidos, fechar a torneira ao escovar os dentes e ao ensaboar a louça da cozinha, aproveitar toda a capacidade da máquina de lavar juntando mais roupas, verificar se não há vazamentos em pias e canos. Muitas tecnologias têm sido desenvolvidas para o reúso da água doméstica, mas até elas se popularizarem todos podem contribuir recolhendo a água das chuvas para lavar carros ou regar o jardim e reaproveitando a água desprezada da máquina de lavar roupas para lavar áreas externas da casa.

Ar-condicionado - O condicionador de ar é um dos eletrodomésticos de maior consumo de energia. Utilize-o apenas o estritamente necessário e mantenha portas e janelas bem fechadas para evitar a entrada de ar do ambiente externo. Verifique o correto funcionamento do termostato, regulando-o adequadamente (25º). Se possível, instale o aparelho onde ele não fique exposto ao sol.

Geladeira - A geladeira é responsável por cerca de 30% do consumo total de uma residência. Não deixe a geladeira aberta, nem fique abrindo-a desnecessariamente. Coloque o refrigerador em local ventilado, afastado de paredes, fora do alcance dos raios solares e distante de fogões e estufas. Verifique se as borrachas de vedação da porta estão em bom estado. Não use a parte traseira da geladeira para secar panos ou roupas. Descongele sua geladeira regularmente e não coloque alimentos quentes dentro dela.

Lavadora de roupas - A máquina de lavar roupas consome 2 a 5% do consumo total de uma residência. Procure lavar de uma só vez a quantidade de roupa indicada pelo fabricante da máquina de lavar. Utilize a dosagem correta de sabão para que você não tenha de repetir a operação enxaguar.

Ferro elétrico – Esse eletrodoméstico é responsável por cerca de 5 a 7% do consumo total de uma residência. Habitue-se acumular a maior quantidade possível de roupas para passá-las de uma só vez.  Use a temperatura indicada para cada tipo de tecido, no caso de ferro automático. Quando precisar interromper o serviço, desligue o ferro. Deixe as peças mais leves e fáceis para passar por último, para aproveitar o calor do ferro elétrico desligado.

Televisão – A TV é responsável por cerca de 5 a 15% do consumo total de uma residência. Não deixar a TV ligada sem ninguém a assistindo.

Optar por produtos sustentáveis - Os eletrodomésticos campeões em economia ganham o Selo Procel de Economia de Energia. A substituição de equipamentos que ocasionam excesso de consumo de energia elétrica por outros de melhor rendimento é uma medida que pode reduzir significantemente o valor da conta de energia.

Fiação elétrica - Emendas de fios mal feitas, fios desencapados e isolação desgastada causam fuga de corrente, choques e fazem com que a conta de energia aumente. Para prevenir fugas de corrente, o consumidor deve fazer uma revisão periódica na instalação elétrica de sua residência.

Sensores - Equipamentos que acionam a iluminação ao detectar a presença de alguém ou de alguma coisa em movimento, os sensores de presença são propícios para gerar mais economia do que minuteiras convencionais. Devem ser usados em corredores, escadas e nas áreas comuns dos condomínios.

Elevadores - O uso inadequado dos elevadores traz gastos extras de energia. Uma opção para minimizar o problema é adotar o sistema contra a duplicidade de chamadas que, além de economizar energia elétrica, ainda protege o maquinário. Nos horários de menor movimentação (entre as 22h e 6h), manter um dos elevadores desligados.

Lâmpada - A iluminação é responsável por cerca de 20% do consumo total de uma residência. Habitue-se a apagar as lâmpadas dos ambientes desocupados e utilize lâmpadas fluorescentes, que duram mais e gastam menos energia. Importante, também, utilizar poucas lâmpadas de maior intensidade luminosa ao invés de várias lâmpadas de menor intensidade. Aproveite, ao máximo, o uso da iluminação natural em áreas comuns, abrindo janelas, cortinas e persianas. Em áreas de jardim, use lâmpadas em LED, que podem economizar mais de 70% de energia, e em quadras, use as de multivapor metálico.

Coelba desenvolve projetos voltados para o uso racional da energia

postado por aleile @ 1:14 PM
8 de outubro de 2013

 

SERVIÇO

A Companhia de Eletricidade do Estado da Bahia – Coelba, empresa do Grupo Neoenergia, mostra o seu compromisso com a educação e a conscientização ambiental por meio do Programa de Eficiência Energética da Coelba, voltado para o uso racional dos recursos naturais. Projetos como Nova Geladeira, Vale Luz, Pituaçu Solar e Energia com Cidadania são desenvolvidos pela empresa com o objetivo de fazer o uso racional dos recursos naturais, bem como dar uma destinação adequada aos resíduos.

Esses projetos são planejados e realizados de acordo com a legislação da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), que estabeleceu, desde 1999, que as concessionárias de energia elétrica teriam o compromisso de destinar recursos para programas de eficiência energética. Por obrigação contratual (contrato de concessão do serviço de distribuição de energia), a Coelba faz um dispêndio anual de 0,5% da sua receita operacional líquida em projetos de eficiência energética – o que dá um valor de cerca de 21 milhões (de quê? Reais?) por ano, segundo a assessora de Eficiência Energética da Coelba, Ana Christina Mascarenhas.

Esse montante, segundo ela, é investido em iniciativas que trazem como principal benefício a retirada de demanda de energia do horário de ponta do sistema elétrico brasileiro. “Ou seja, ações de eficiência energética adiam investimentos na geração de energia elétrica”.
A troca de eletrodomésticos e lâmpadas, focando nos eficientes com o selo Procel ou o selo Inmetro A, e mudanças de hábitos são sempre eficazes para a redução do consumo. “A utilização de aquecimento solar na troca dos chuveiros elétricos e retirar aparelhos da tomada quando não são usados, como computadores, micro-ondas e aparelhos de som são algumas medidas importantes. O desperdício de energia no Brasil é cerca de 20% do que geramos”, afirma Ana Christina.

Mais do que distribuir energia, a Coelba busca desenvolver práticas efetivas para a promoção do consumo consciente e eficiente deste recurso, principalmente entre a população de baixa renda. A minuciosa elaboração e a escolha dos projetos do Programa de Eficiência Energética estão ancoradas na política de sustentabilidade do Grupo Neoenergia, que adota o modelo de gestão socialmente responsável em todas as suas atividades, visando à criação de valor ao negócio e a contribuição para uma sociedade sustentável.

Com o programa Nova Geladeira, por exemplo, a Coelba troca, gratuitamente, o eletrodoméstico velho por um novo, com o Selo Procel A de economia de energia. A empresa já substituiu 121 mil geladeiras e 888 mil lâmpadas fluorescentes compactas às famílias baianas. O objetivo do projeto é promover o consumo eficiente de energia, adequando a conta à capacidade de pagamento do cliente, já que uma geladeira em mau estado de conservação pode ser responsável por até 70% do valor da conta de energia de um consumidor de baixo poder aquisitivo.

“Além de adequar a conta à capacidade de pagamento dos consumidores, a substituição da geladeira promove maior qualidade de vida, já que o equipamento novo permite armazenar os alimentos com mais qualidade”, afirma a assessora de Eficiência Energética da Coelba.

Projetos da Coelba

postado por aleile @ 1:12 PM
8 de outubro de 2013

Nova Geladeira: Troca gratuitamente a geladeira velha por uma nova, com Selo Procel A de economia de energia. A Coelba já substituiu mais de 120 mil geladeiras de famílias baianas. O objetivo do projeto é promover o consumo eficiente de energia, adequando a conta à capacidade de pagamento do cliente, já que uma geladeira em mau estado de conservação pode ser responsável por até 70% do valor da conta de energia. Graças à sua eficiência, os refrigeradores do Nova Geladeira Coelba podem proporcionar uma economia média de 53 kWh/mês. O Nova Geladeira integra o Programa de Eficiência Energética da Coelba, regulado pela Aneel e, para participar, o consumidor precisa estar cadastrado na Coelba com o benefício da Tarifa Social de Energia, não ter débitos com a concessionária e apresentar um consumo médio dos três maiores meses do ano igual ou acima de 80 kWh/mês. Além disso, os clientes devem possuir uma geladeira velha que funcione para ser entregue à Coelba no momento do recebimento da nova, além de ser morador do empreendimento Minha Casa, Minha Vida.

Vale Luz: O projeto prevê a troca de resíduos sólidos recicláveis por descontos na conta de energia. Além de reduzir o valor da conta de luz, o projeto tem o objetivo de estimular o uso racional dos recursos naturais e minimizar os impactos negativos causados pelo lixo no meio ambiente, estimulando a reciclagem. São aceitos para a reciclagem: metal, papel, papelão e plásticos. Alguns cuidados devem ser tomados no momento da coleta. Papéis e plásticos, por exemplo, não podem estar sujos ou molhados. No caso das latas de alumínio, devem estar sem areia, pedra ou materiais que comprometam a sua pesagem. O material recolhido é encaminhado à Cooperbrava, Cooperativa de Coleta Seletiva formada por catadores de Canabrava. Semanalmente, um caminhão percorre algum bairro de Salvador. Ali, os consumidores podem fazer o cadastro na Tarifa Social de Energia – um benefício do Governo Federal que concede descontos de até 65% na conta de luz, além de trocar lâmpadas incandescentes por fluorescentes compactas. Para fazer o cadastro, o cliente deve levar o NIS (Número de Identificação Social), documento de identificação com foto e CPF.

Pituaçu Solar: Com o novo sistema de geração de energia a partir do sol, inaugurado em abril do ano passado, o estádio Governador Roberto Santos, mais conhecido como Estádio de Pituaçu, se torna autossuficiente em energia elétrica. Um dos candidatos a Centro de Treinamento da Copa do Mundo 2014, o local já está gerando energia a partir do sol, em uma realização da Coelba em parceria com o Governo do Estado da Bahia e o apoio técnico da Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável (GIZ), da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e do apoio institucional do Instituto para Desenvolvimento de Energias Alternativas na América Latina (IDEAL). O projeto Pituaçu Solar custou R$ 5,5 milhões, sendo R$ 3,8 milhões investidos pela Coelba e R$ 1,7 milhão pelo Governo do Estado da Bahia. Primeiro sistema solar fotovoltaico instalado em estádio esportivo na América Latina, o sistema solar do estádio tem capacidade para gerar 400 kWp (quilowatts-pico – medida específica de potência para a geração fotovoltaica), o que proporcionará uma geração anual de energia elétrica estimada em 630 MWh (megawatts-hora). Como o consumo médio anual de energia do estádio é de 360 MWh, o excedente de energia gerado em Pituaçu, ou seja, 270 MWh/ano, será compensado do consumo de energia elétrica da sede da Secretaria Estadual do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre), localizada no Centro Administrativo da Bahia (CAB). A expectativa é a de que o novo sistema gere uma economia de cerca de R$ 120 mil por ano.

Energia com Cidadania:  O projeto, cujo objetivo é facilitar o acesso dos consumidores a diversos serviços, já passou pelos bairros do Uruguai, Retiro, Tancredo Neves e Saramandaia. Pirajá foi o quinto bairro beneficiado pela caravana de serviços do Energia com Cidadania, projeto da Coelba. Entre os dias 5 e 17 de agosto, a comunidade local contou com serviços da concessionária, palestras e informações sobre o uso racional e seguro da energia, além de serviços oferecidos por parceiros do projeto, como a abertura de Conta Caixa Fácil, o cadastro nos programas sociais do Governo (Bolsa Família), a emissão Carteira de Trabalho, entre outros. No caminhão do projeto, o cliente teve à disposição serviços da Coelba como atualização cadastral, troca de titularidade, segunda via, ligação nova, religação, parcelamento especial, mudança de endereço, cadastro na Tarifa Social de Energia Elétrica, entre outros. Também foram ministradas palestras sobre o Combate à Dengue e sobre o Uso racional e seguro da Energia. A comunidade de Pirajá também teve a oportunidade de transformar os resíduos sólidos do lixo doméstico em descontos na conta de luz. O material recolhido foi encaminhado à Cooperbrava.

Brasilgás desenvolve ações e projetos na área de Sustentabilidade

postado por aleile @ 1:07 PM
8 de outubro de 2013

O tema sustentbilidade ganha cada vez mais relevância no cenário corporativo e na sociedade, que buscam por empresas que prestam serviços em consonância com a preservação do meio ambiente e dos recursos naturais. Pensando nisso, a Brasilgás reforça o compromisso de gerir os negócios de forma equilibrada, respeitando os aspectos econômicos, ambientais e sociais, e desenvolvendo ações de responsabilidade social, entre elas, projetos sociais, culturais e investimentos em educação.

Plinio Laerte Braz, diretor de Operações da companhia, afirma que o tema é prioridade. “Nosso maior desafio é inserir cada vez mais a sustentabilidade na estratégia do nosso negócio e na nossa visão de futuro. A sustentabilidade tem de permear todos os níveis da organização”, diz.

Entre os projetos implementados pela companhia destacam-se o diálogo de segurança, saúde e meio ambiente, a coleta seletiva para a reciclagem de material, a estação de tratamento de efluentes industriais, o armazenamento de resíduos em todas as bases, o monitoramento de CO2 nos caminhões que transportam os botijões e a redução de emissão atmosférica de GLP – Gás Liquefeito de Petróleo, utilizado em fogões e veículos. ”Nossa preocupação com o uso racional dos recursos naturais faz com que sejam realizados investimentos em várias iniciativas e projetos de redução e conscientização dos seus colaboradores”, explica Daniela Gentil, gerente de Sustentabilidade da Ultragaz/Brasilgás. Essa postura resultou na Política de Investimento Social e de Sustentabilidade, que gerou o selo “Ultragaz Faz Sustentável. Equer fazer sempre mais”. Ele identifica todas as atividades e ações sutentáveis da empresa.

Projetos e ações- Um dos projetos que tem este selo é o Ultragaz Cultural, iniciativa que tem o objetivo de levar cinema, teatro, música e eventos educacionais para a população carente de várias regiões no país, através de parcerias com escolas, ONGs e instituições públicas por meio de uma carreta-cinema itinerante. Entre 2008 e 2011, foram computadas 82,52 toneladas de CO² equivalente, oriundas do combustível a diesel usado na carreta-cinema.

Para a compensação dessas emissões, foram plantadas 522 árvores em Formosa do Oeste (PR), em uma área de restauro de floresta de Mata Atlântica. “Além disso, os 472 kg de resíduos gerados no período de realização do Ultragaz Cultural, foram adequadamente coletados e depois doados para 15 cooperativas locais de catadores, o que contribuiu para a geração de renda para muitas pessoas”, salienta Gentil.

Outra iniciativa é o Programa de Redução no Consumo de Energia, orientado para a redução de custos e a melhoria do controle energético nas unidades produtivas da Ultragaz e Brasilgás. A instalação de um software de gestão nas caixas primárias das bases de produção permitiu o acompanhamento do consumo via internet e em tempo real, o que garantiu a adoção de medidas corretivas imediatas, como a prevenção de desperdícios.

Quanto às medidas de prevenção aos desperdícios, constantemente é aplicado o teste hidrostático na manutenção dos tanques e armazenamentos de gás LP. Geralmente, são utilizados em torno de 120 m³ de água por tanque, mas, com a realização do teste, é possível reutilizar essa água até 12 vezes em outros testes. Apenas com essa operação, a economia já é de cerca de 100 mil m³ de água por ano.

Parque São Bartolomeu recebe mudas de plantas

postado por aleile @ 1:05 PM
8 de outubro de 2013


plantio_sao_bartolomeu02
plantio_sao_bartolomeu03
Mais de 1500 mudas de árvores foram plantadas pelo Instituto Fábrica de Florestas (IFF), como forma de compensação de parte da emissão dos Gases de Efeito Estufa (GEE) durante os dias de Carnaval de Salvador, este ano. A área escolhida para o plantio foi o Parque São Bartolomeu, na comunidade de Rio Sena. A ação faz parte de um projeto-piloto de monitoramento da qualidade do ar e inventário parcial da emissão de gases do efeito estufa GEE durante a festa, realizado pela Braskem e pela Cetrel, em parceria com a Secretaria da Cidade Sustentável, IFF e o Jornal A TARDE.

O programa prevê o plantio total de 13 mil mudas de árvores em Salvador e Região Metropolitana. Álvaro Oyama, diretor-executivo do IFF, conta que “a quantidade de mudas foi determinada de acordo com a Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC), que estima que uma árvore absorva, aproximadamente, 10 Kg de CO2 por ano. Com isso, totalizamos a quantidade necessária para a compensação em um ano, ou seja, até o próximo Carnaval”.

As regiões foram indicadas pela prefeitura e o plantio é realizado por voluntários mobilizados pelo IFF nas comunidades. Cabe, também, ao IFF a manutenção das plantas e as ações necessárias, inclusive a substituição daquelas que não vingarem. O plantio e a manutenção das árvores, além da capacitação da comunidade, têm custo estimado de R$ 105 mil.

Ivanilson Gomes, secretário da Cidade Sustentável da Prefeitura de Salvador, ressalta que “a compensação da emissão de gases de efeito estufa no Carnaval representa um avanço na relação entre o Poder Público e a iniciativa privada, com resultados positivos para a cidade, para os seus moradores e para a prefeitura”, diz. O investimento no projeto, resultante de uma parceria entre a Braskem e a Cetrel, soma R$ 185 mil.

Os resultados obtidos com esse projeto-piloto, além de oferecerem um presente simbólico para Salvador e Região Metropolitana, vão servir de subsídio para a implementação de políticas públicas que visem garantir uma boa qualidade de vida para a população.

Economia nas impressões

Reforçando seu compromisso com a sustentabilidade, a Braskem incorporou em suas plantas e escritórios de todo o Brasil, o Projeto Impressão Segura, um sistema inteligente de impressões de papel. Com a iniciativa, a empresa conseguiu, em 2012, a economia de quatro milhões de folhas de papel e a redução de R$1,2 milhão em custos.

Antes do projeto, a Braskem possuía cerca de mil impressoras espalhadas em suas unidades de todo o Brasil. Porém, para a implantação do novo sistema, realizou um mapeamento de pontos estratégicos de cada localidade da empresa e reduziu o número de máquinas para 685.

Agora, as páginas enviadas para impressão são armazenadas em um servidor, que mantém todos os pedidos gravados por 24 horas. Assim, através da identificação do usuário pelo leitor de crachá ou por um login e senha na máquina, o integrante tem acesso à sua lista de impressões solicitadas, onde pode decidir o que realmente deseja imprimir. Desta maneira, diminui o uso indevido de papel e reduz os impactos no meio ambiente.

Petrobras bate recorde em economia e reúso de água

postado por aleile @ 1:02 PM
8 de outubro de 2013

Mais de 23 bilhões de litros de água, quantidade suficiente para abastecer uma cidade com cerca de 550 mil habitantes; foi o volume de reúso do recurso natural alcançado pela Petrobras, em 2012. Entre as ações de economia, a empresa elaborou o Guia Técnico sobre Conservação e Reúso de Água em Áreas Administrativas, com orientações e medidas práticas que podem ser aplicadas em prédios da companhia. A economia resultante de ações de racionalização e reúso garante à Petrobras uma fonte segura de abastecimento e contribui para a redução de captação de água que pode ser destinada ao consumo humano.

A Estação de Tratamento e Reúso de Água (Etra), responsável pelo tratamento dos esgotos sanitários e industriais de toda a empresa, começou a funcionar em julho de 2012. Integrada ao Etra, a captação de água de chuva contribui para o descarte estimado de 600 milhões de litros de água, o que representa uma economia de R$ 12 milhões em consumo de água potável e tratamento de esgoto, assim como a autonomia de consumo de água por quatro dias, sem a necessidade de recorrer ao abastecimento público.

A Refinaria Gabriel Passos (Regap), em Minas Gerais, foi a primeira a fazer o reúso de efluente em seu sistema de resfriamento, empregando o processo de dessalinização por eletrodiálise reversa (EDR). Com essa tecnologia, a unidade economizou, em 2012, 420 milhões de litros de água, equivalentes ao consumo de 8 mil habitantes. No mesmo ano, a Refinaria Henrique Lage (Revap), em São Paulo, tratou até 300 mil litros por hora de efluentes.

Somente na Revap, a economia anual pode chegar a 2,6 bilhões de litros de água por ano. A unidade implantou, ainda, um projeto pioneiro no uso da tecnologia de biorreatores a membranas (MBR) para o tratamento biológico de efluentes oleosos de refinarias. Já na Refinaria do Paraná (Repar), foi inaugurada uma nova estação de tratamento de despejos industriais com a tecnologia de MBR, que permite o reúso de 200 mil litros por hora de efluentes.

Com todas as iniciativas em suas unidades, a Petrobras pretende, até 2015, obter uma economia superior a R$ 35 bilhões de litros de água por ano, utilizando novos projetos de reúso em refinarias.

Reúso_ Estação de Tratamento de Água da Cristal (ETA)

Política de promoção do desenvolvimento sustentável a partir do uso racional e eficiente dos recursos naturais. Esta tem sido uma prática de empresas que visam oportunidades de negócios aliadas à responsabilidade social e ambiental. A Fonte D’Vida, por exemplo, reaproveita a água que sobra no processo de lavagem dos garrafões para a lavagem de piso, a descarga dos sanitários e a irrigação dos jardins da própria empresa. Também preocupada em preservar a natureza, a fábrica Cristal instalou uma Estação de Tratamento de Água (ETA) para evitar a descarga concentrada de sedimentos no afluente. O Shopping Iguatemi, por sua vez, faz uso do sistema EC-H2, que permite o reaproveitamento de água para a higienização de todos os seus corredores e estacionamentos. Da mesma forma, a Carboflex investe em sistema de captação da água da chuva para o reaproveitamento.

Empresa que capta e comercializa água mineral natural, a Fonte D´Vida promove ações de sustentabilidade a partir do uso racional e eficiente do recurso hídrico. “Basicamente, toda a água extraída é utilizada no processo produtivo, que consiste no envasamento da água mineral natural. Para esta finalidade, utilizamos modernos equipamentos, com alta eficiência no processo de limpeza e envase”, afirma o gerente da empresa, Marcelo Gaudio. Já a água que sobra no processo de lavagem dos garrafões, explica, é enviada para uma Central de Tratamento e, posteriormente, para uma unidade de reaproveitamento, onde a mesma é canalizada para um reservatório. “Posteriormente, essa água servirá para a lavagem de piso, a descarga dos sanitários e a irrigação dos jardins da empresa”.

Esse processo, ressalta Marcelo Gaudio, permite a utilização racional de 100% da água captada pela Fonte D’ Vida. “Com o reaproveitamento de água, a empresa economiza cerca de 100 mil litros de água por mês. Como não utilizamos a água da concessionária de serviços públicos (Embasa), entendemos que, a preço de água mineral, economizamos um valor próximo a R$ 10 mil mensais”. Atualmente, destaca, a empresa gera a própria energia por meio de gerador, no horário das 18h às 21h, também conhecido como horário de ponta da Coelba, cujo preço do kwh é dez vezes mais caro que o preço da energia elétrica no resto do dia. “Esta ação desafoga a concessionária que, normalmente, nesse horário, está sobrecarregada com o consumo das residências e demais indústrias, e a economia que geramos fica em torno de R$ 5 mil por mês”, contabiliza.

Em 2014, revela, o plano da Fonte D´Vida é aumentar o uso de energia alternativa e não poluente – que são as energias eólica e solar. “Em um primeiro estágio, o projeto contemplará a iluminação interna e externa da fábrica, o laboratório e a administração. Posteriormente, iniciaremos o uso dessa energia no processo fabril”.

Carboflex 2012

Água de chuva - Outro exemplo de sustentabilidade é a empresa baiana Carboflex, localizada em São Sebastião do Passé. “A partir da execução de um projeto inovador e de baixo custo, realizado por dois colaboradores, a água da chuva virou um elemento importante para a preservação do meio ambiente, o consumo consciente e a redução de despesas”, ressaltou Maurício Carneiro, gerente operacional da planta de fluídos. A ideia surgiu quando o operador de planta, Anísio Moreno, observou o grande volume de água da chuva que não era aproveitado e desenvolveu um sistema para armazená-la em tanques.

“Eu não me conformava ao ver aquela quantidade de água indo embora e sendo desperdiçada. Sabia que, se existisse um sistema de captação, seria muito útil para a economia da empresa e ajudaria o meio ambiente. Como eu sou curioso, fui buscar um jeito de aproveitar a água e levei o projeto ao meu chefe que apostou na ideia e autorizou a execução”, contou Anísio Moreno, explicando que o seu programa consiste em direcionar e armazenar o líquido em um reservatório para utilizá-lo no sistema de combate a incêndio, produção de fluídos e lavagens. “A partir deste sistema, conseguimos alimentar os cinco tanques com capacidade de 20 m³ cada um, no período de chuva, mantendo-os sempre cheios. Com as demandas de produção, conseguimos obter uma economia de R$ 3 mil para repor o estoque de água, que varia de acordo com o índice pluviométrico”, afirmou Maurício Carneiro.

Conscientização ambiental- Já no Shopping Iguatemi, que embarcou em uma campanha permanente de conscientização ambiental junto aos lojistas, colaboradores e clientes, entre as principais ações promovidas está o uso do sistema EC-H2. O projeto permite o reaproveitamento de água para a higienização de todos os corredores e estacionamentos do shopping através de máquinas que dispensam o uso de produtos químicos. Desta forma, é possível lavar uma área de 28mil m² de estacionamento e 20mil m² de mall com uma economia de 70% de água e sem o uso de produtos de limpeza, segundo o afirma o superintendente do Shopping Iguatemi, Sérgio Magalhães.

“Como o primeiro shopping da Bahia, temos um compromisso social e ambiental com a cidade. Por dia, recebemos mais de 100 mil pessoas, então todas as nossas ações são pensadas para oferecer o menor dano possível e devolver ao meio ambiente os recursos utilizados. Somos o único shopping com uma usina própria de cogeração de energia e temos outras atividades de descarte e reciclagem”, enaltece o superintendente do shopping.

No campo da reciclagem, ele destaca a de bitucas de cigarro, recolhimento de pilhas e baterias de celular, o descarte de lâmpadas fluorescentes e a seleção de lixo para reciclagem junto a uma cooperativa (papelão, plástico, papel e vidro). Parcerias com empresas e cooperativas especializadas foram feitas visando garantir o manuseio correto dos materiais e a sua melhor utilização, como é o caso do programa Bitueco. “Por meio dele, todas as bitucas de cigarro descartadas nos cinzeiros localizados nas entradas do shopping são recolhidas em sacos biodegradáveis e armazenadas em caixas que são vedadas e enviadas para a sede do Bitueco, localizada em São Paulo. Lá, esse material é transformado em matéria-prima e é utilizado em indústrias cimentícias e siderúrgicas”, explica Sérgio Magalhães.

Outra parceria firmada é com a Cooperativa de Catadores de Agentes Ecológicos de Canabrava (CAEC). “O Shopping Iguatemi possui uma Central de Resíduos para onde é levado todo o material recolhido das lojas, entre papelão, plástico, pet, ferro, alumínio, vidro, revistas, jornais e papel branco. Na Central, esse material é separado, prensado e comercializado pela cooperativa, que o vende para indústrias de recicláveis. O valor arrecadado com a venda obtida através desse processo é inteiramente doado aos catadores da CAEC, ajudando a sustentar cerca de 15 famílias da região”, conta o superintendente.

Também dentro da proposta de reduzir o impacto ambiental, o Shopping Iguatemi faz uso de caixas próprias para o armazenamento e descarte de lâmpadas fluorescentes, localizadas nas docas do estabelecimento e usadas para o uso da manutenção e das lojas. Uma vez por mês, essas caixas são descartadas para uma empresa especializada, a Ivomax, responsável pelo coprocessamento e revitalização dos resíduos, sem utilizar aterros industriais e sem gerar efluentes líquidos, conforme o superintendente.

O shopping é o responsável, ainda, pela manutenção de toda a área verde localizada em seu perímetro. No entorno, foram plantadas espécies de árvores da Mata Atlântica que estão em extinção. Ao todo, são 60 árvores, entre 26 mudas de Sibipiruna, 18 de Pau Brasil e 16 de Pau Ferro.
Tratamento de água – Ações diferenciadas para garantir o uso responsável da água são verificadas, também, na empresa Cristal. O destaque da fábrica baiana é a Estação de Tratamento de Água (ETA), uma tecnologia que evita a descarga concentrada de sedimentos no afluente, visando evitar que os sólidos depositados no fundo dos decantadores, durante o processo de purificação da água, retornem para o Rio Capivara. Segundo a supervisora de Meio Ambiente da Cristal, Vilma Pedreira, todas as etapas do processo produtivo são pensadas de acordo com as orientações e com as  condicionantes estabelecidas por órgãos regulamentadores do Governo, como o Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema).

“A iniciativa diminui o risco de assoreamento, uma vez que os sedimentos resultantes do processo de tratamento de água passam por uma filtragem, e grande parte do material orgânico, já em estado pastoso, não é colocada no curso do rio. Poucas indústrias no Brasil têm esse tipo de cuidado”, afirma Vilma Pedreira. Toda a água que é captada do Rio Capivara para abastecer a planta, explica, tem a sua captação autorizada, conforme outorga emitida pelo antigo Instituto de Águas e Clima (Ingá), atual Inema.

A preocupação com o meio ambiente também está presente na Mina da Paraíba, onde a referência fica por conta do programa de Reúso de Efluentes. Atualmente, a mina consegue aproveitar, de forma direta, 120 m³/h e, indireta, 105 m³/h das águas de processo das plantas fixas, podendo atingir até 400m³/h. “Com isso, a empresa reduz a captação de água do Rio Guajú, e isso significa uma redução de 19% no atual volume de captação de água do rio”, explica o chefe de Laboratório e Meio Ambiente, Virgílio Gadelha. Desde o início do programa, em 2007, em função do reúso direto de efluentes, 5.900 mil m³ de água deixaram de ser captados, volume suficiente para abastecer, durante um ano, uma cidade com mais de 100 mil habitantes. “Estamos todos envolvidos em um período para focar a atenção sobre a importância de evitar o desperdício de água e garantir uma gestão sustentável dos recursos hídricos”, frisa Vilmar Pedreira.

No condo-resort Iberostate Praia do Forte, a água da chuva é capturada e armazenada em um pequeno lago artificial. Esse lago, explica Cesar Torres, diretor de engenharia do empreendimento, é usado como fonte de água para o sistema de irrigação de áreas verdes. “É proibida a utilização de cercas de madeira, concreto ou muros, privilegiando as cercas vivas, que ajudam na manutenção do ecossistema natural, servindo de abrigo para a fauna local”, ressalta. Além disso, completa, o Iberostate Praia do Forte mantém um berçário próprio de espécies da flora local para a recuperação de áreas nativas. “Na área marítima, o condomínio mantém parceria com o projeto Tamar para a preservação do habitat natural de desova e reprodução das tartarugas marinhas, com uma iluminação diferenciada nas proximidades do mar”.